Conceito de moradia da Housi se alinha à flexibilidade da Nova Economia

Flexibilidade, mobilidade e praticidade: estas são as palavras de ordem da moradia do futuro. Para Renato Breunig, executivo da área jurídica e cliente da Housi há cerca de 30 meses, o conceito de moradia on demand encaixou-se perfeitamente com seu estilo de vida. “Passo a semana em São Paulo e volto para o Rio Grande do Sul aos finais de semana”, conta o gaúcho em entrevista exclusiva à StartSe.

A Housi é uma gestora digital de imóveis residenciais. A startup, que surgiu como uma spin-off da construtora Vitacon, criou um modelo de gestão baseado em dados que maximiza a rentabilidade dos apartamentos e torna a experiência de morar mais prática e flexível. O preço do aluguel dos apartamentos varia de R$ 100 a R$ 300 por noite ou R$ 1800 a R$ 6500 por mês e, por enquanto, estão disponíveis apenas na cidade de São Paulo.

Breunig, além de morador, também é proprietário de imóveis que estão sob gestão da Housi. Para ele, faz mais sentido colocar os apartamentos para render, como investidor, do que morar em uma de suas propriedades e abdicar da flexibilidade de moradia.

“Desde que me tornei cliente, já mudei de casa quatro vezes, sempre por questão logística, de proximidade do meu trabalho no momento”, explica. “Se eu tivesse feito isso da forma tradicional, eu teria um contrato a cumprir, além do prazo de 30 dias de aviso prévio. Tudo isto teria um custo. Eu valorizo a mobilidade que a Housi proporciona”.

Moradia on demand

Logo na primeira interação com a Housi, Renato Breunig identificou os primeiros valores agregados que a solução lhe proporciona. “A tecnologia está a meu favor. Tudo é feito pela plataforma digital”, diz. “Mas o fator humano é fundamental, e isto a Housi também tem. Quando há algum problema, o que acontece em qualquer moradia, sempre tem uma pessoa pronta para me atender”.

Atualmente, o executivo reside em um apartamento na Vila Olímpia, próximo ao escritório do qual é sócio. Breunig não vê a necessidade de um espaço muito grande para seu estilo de vida. “Eu passo a maior parte do dia fora de casa, no trabalho. Quando volto, há uma academia e um espaço verde para eu tomar chimarrão na área coletiva. É tudo que eu preciso”, afirma o gaúcho.

Os apartamentos da Housi são valorizados pela praticidade que proporcionam. Serviços como limpeza e manutenção sob demanda estão integrados à plataforma. Além disso, a startup proporciona o APP Space, um ecossistema de soluções de empresas de bem-estar, alimentação, mobilidade, saúde, entre outras.

Crescimento da oferta

Para Renato Breunig, a fluidez do cotidiano e a imprevisibilidade dos novos tempos tornam a solução da Housi sob medida para grande parte da população. “Eu recomendaria a Housi a todas as pessoas que querem um meio de moradia com praticidade e mobilidade. Porque, hoje em dia, não se sabe quando vai mudar de emprego, ou se a empresa vai transferir o escritório para outro bairro, ou se vai ficar fora do país por um período. E, no fim das contas, sai mais barato”, diz.

Neste sentido, o executivo vê com bons olhos cada vez que surgem novas ofertas na plataforma digital de gestão imobiliária, e espera pela expansão para outras cidades do Brasil. “Eu não aceito mais hotel ou a locação tradicional”, afirma Breunig.

O crescimento da plataforma está nos planos da startup. Neste sentido, foi criado um fundo de investimento imobiliário para adquirir propriedades e aplicar o modelo de gestão inteligente da Housi. O período de reservas está aberto até o dia 16 de dezembro e permite investimentos a partir de R$ 1 mil. Para conhecer mais sobre o fundo imobiliário, acesse este link.

*Este conteúdo foi realizado em parceria entre a StartSe e a Housi.