Preço de imóveis residenciais cai quase 3% em 2019 | Imóveis

O preço dos imóveis residenciais teve queda real (aquela que considera a inflação) de 2,92% no acumulado de 2019, aponta o índice FipeZap. O levantamento, que monitora anúncios em 50 cidades, calcula alta nominal de 0,02% neste ano, valor muito abaixo da inflação (IPCA) de 3,04% do período.

Apesar das recentes investidas do setor, que registrou alta nos lançamentos, o preço da habitação ficou estagnado. Entre outubro e novembro, houve queda real de 0,43% nos preços.

Nos últimos 12 meses, a desvalorização frente à inflação foi um pouco maior, de 2,96%. Isso mostra que a empolgação do empresários do setor, que registraram o melhor índice de confiança desde 2014, pelo menos por ora não se reflete no preço dos empreendimentos.

Capitais com maior queda nominal de preço em novembro:

  1. Fortaleza: -1,76%
  2. Brasília: -0,96%
  3. Maceió: -0,88%

Capitais com maior alta nominal de preço em novembro:

  1. Salvador: +0,75%
  2. Manaus: +0,50%
  3. São Paulo: +0,27%

O retorno do aluguel, por outro lado, tem se tornado mais interessante diante de um investimento inicial menos caro e busca cada vez maior por locação. Diferentemente da venda, a locação residencial tem conseguido se valorizar um pouco, em algumas cidades.

___________________________

___________________________

Voltando para os dados de compra, o preço médio em novembro ficou em R$ 7.235/m² entre as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Veja onde o metro quadrado é mais caro:

  1. Rio de Janeiro: R$ 9.347/m²
  2. São Paulo: R$ 8.994/m²
  3. Brasília: R$ 7.354/m²

As cidades que se mantêm com o preço médio do metro quadrado mais barato são:

  1. Campo Grande: R$ 4.143/m²
  2. Goiânia: R$ 4.154/m²
  3. João Pessoa: R$ 4.545/m²

Em termos de volume de negócios, o mercado imobiliário ainda vive de promessas de uma melhora, que depende do momento de cada praça. Dados dos Indicadores do Registro de Imóveis do Brasil do mês de setembro indicam que houve alta de 8,7% na compra e venda (comercial e residencial) em São Paulo, mas uma queda de 8,1% no Rio de Janeiro.

Siga o Valor Investe no Facebook